Decida o que quer

Tempo de leitura: 2 minutos

Qual a sua maior ambição? É realizar algo grande? A maioria das pessoas nunca descobre o que realmente quer fazer na vida e acaba não fazendo nada.

Muitas pessoas, de várias profissões diferentes, têm dificuldade de responder perguntas do tipo: “Quem eu quero me tornar?”, “O que quero viver?”

No início o entusiasmo é grande. Ele surge quando se pensa em algo que se deseja muito realizar.

Idealizar, planejar, sonhar, traz sensações boas e deixa as pessoas felizes. Contudo, por não conseguir definir com clareza seus objetivos, em geral quase ninguém realiza nada.

Os autores Alan e Barbara Pease, sugere em seus livros que um bebê tem clareza absoluta do que quer na vida e se recusa a permitir que alguém ou alguma coisa atrapalhe a sua trajetória. Quando sente fome, berra até que alguém lhe dê comida. Quando começa a falar, importuna tanto os pais e familiares sem parar com seus desejos até que eles cedam ou fiquem loucos.

O problema é que à medida em que vai crescendo e tendo novos sonhos, principalmente durante a adolescência, pais, familiares e “amigos” vão programando o seu subconsciente de crenças limitantes que minam qualquer possibilidade de fazer algo que realmente o deixaria feliz.

Você não tem mais idade para isso.

Você devia ter vergonha.

Você está sendo egoísta

Aceite o que lhe deram e não reclame.

Quem você pensa que é?

Coma tudo o que estiver no prato.

Gostaria que você fosse mais…

Você é uma criança má!

Não diga isso!

Porque sou sua mãe, e pronto!

Se todo mundo pulasse da ponte você pulava também?

Porque eu mandei.

Vou lhe ensinar que “não” é “não”!

Você é igualzinho ao (à) inútil de seu (sua) pai(mãe).

Se não parar de chorar agora, vou lhe dar uma boa razão para chorar de verdade.

Agradeça pelo que tem e pare de ficar querendo mais.

Como consequência dessas crenças que são plantadas em sua cabeça, a maioria das pessoas chegam à adolescência vulneráveis às exigências dos outros.

Os sonhos e ideais que tinham são suprimidos e se perdem completamente.

No final da adolescência e nos primeiros anos da vida adulta, fazem o que os adultos querem, e, percebendo ou não, acabam cedendo á vontades que os pais e sociedade impõem, como estudar para ser aprovado em um concurso público mesmo que ganhe pouco, porque o ais importante é a estabilidade financeira. Desistir da advocacia porque é muito difícil e somente quem tem parentes advogados é que terão mais “sorte” de ter uma carreira bem sucedida.

Eles querem que você siga um caminho seguro e sensato, e muitos levam  a vida com o máximo de cautela até a aposentadoria e a morte precoce.

Viver de acordo com as expectativas dos outros é inútil e só traz angústia e infelicidade.

Tome agora a decisão de assumir o controle e fazer o que quer, não o que os outros exige de você.

Deixe uma resposta