Como ser perseverante e determinado mesmo após uma experiência de fracasso na advocacia

Tempo de leitura: 3 minutos

Sucesso e fracasso são atributos de um projeto. Renato Fonseca de Andrade explica em seu livro “Conexões Empreendedoras”: “Quando uma pessoa consegue realizar diversos empreendimentos exitosos, costumamos dizer que é um empreendedor bem-sucedido. Sucesso e fracasso são apenas novas oportunidades de aprendizado.”

Na advocacia não é diferente em relação aos advogados bem-sucedidos em sua carreira. Mas, para chegar ao sucesso, com centenas de clientes e causas, foi necessário percorrer toda uma trajetória, durante décadas. Na advocacia o sucesso exige dedicação exclusiva em tempo integral que estimo em não menos do que dez anos de exercício da profissão.

Cito como exemplo de fracasso que foi um aprendizado na carreira de um advogado, o caso de um conhecido meu em Brasilia. Logo após a sua aprovação no Exame da OAB, iniciou um projeto para abrir o seu primeiro escritório de advocacia em um endereço nobre da cidade, o que lhe exigiu um alto investimento em reforma da sala, móveis, equipamentos e decoração para o escritório começar a funcionar e a receber os clientes.

Apesar de ter procurado informações e realizado cursos sobre empreendedorismo e ter formatado um plano de negócios, como manda os consultores e “experts” no assunto, doze meses após a abertura do escritório ele fez as contas e chegou á conclusão que era melhor fechar o escritório. O custo fixo era alto (salário da secretária, impostos, aluguel, condomínio, energia, material de escritório, etc), chegava ao valor de R$ 3.800,00 mensais. O volume de clientes era baixo e os honorários, muitos deles recebia somente no final da ação, já estava consumindo todo o capital de giro. Sim, ele tinha capital de giro, o que normalmente a maioria dos advogados iniciantes não possuem ou não se preocupam quando vão abrir o escritório.

Apesar de ter havido planejamento antes da abertura do negócio, faltou planejamento estratégico em relação à área da advocacia em que atuaria. Para pagar as contas, aceitava qualquer tipo de causa e clientes, sem se especializar em uma área em que pudesse ter mais clientes qualificados e causas mais vantajosas financeiramente.

Assim, antes de começar a atrasar o pagamento das obrigações contratuais, principalmente o aluguel, ele desistiu. Era o “stop-loss” (Termo utilizado no mercado de ações que significa “parar de perder”, indicando que é o momento de vender as ações que estão gerando prejuízo).

Bom, você pode estar se perguntando “como esse caso pode ser um exemplo de perseverança e determinação, se o advogado desistiu do escritório? É exatamente esse o ponto mais valioso desa característica empreendedora, como ensina Renato Andrade. SABER PARAR, APRENDER E REUNIR ENERGIA PARA RECOMEÇAR.

Depois de um período refletindo sobre a carreira, decidiu reabrir o escritório, mas, agora, funcionando em um “Coworking”, utilizando todas a estrutura de alto padrão de um escritório virtual, sem a necessidade de pagar aluguel, fazer reforma em sala, contratar secretária, energia ou comprar equipamentos, pois toda esta estrutura é oferecida neste tipo de serviço.

Seu custo fixo diminuiu para R$ 800,00 mensais e o seu lucro líquido dobrou.

Neste caso, o fator importante no comportamento do meu amigo advogado foi aprender a distinguir entre perseverança e teimosia obcecada. A teimosia pura é extremamente danosa à advocacia porque cega o advogado e faz com que ele continue insistindo em um projeto que está dando prejuízos e que não tem nenhuma expectativa de melhoras a médio prazo.

Muitas vezes, o escritório pode não ter dado certo por circunstâncias externas e alheias à competência técnica em relação ao Direito e ao processo. Pode acontecer a qualquer um, e nesse caso, a perseverança é fundamental.

É preciso muita determinação para saber reunir energia para o reinício de um novo projeto na advocacia. Esse é o aspecto positivo da perseverança.

Autor: Alberto Araújo (mentoriaadv@gmail.com). Tel: (61) 99906-4536

Deixe uma resposta